Abre Sumário

Hibrido flex

Na Toyota, o compromisso com o futuro e com a mobilidade se cruza diretamente com as metas estabelecidas pelo Desafio Ambiental 2050, de reduzir a média global de emissão de CO2 de novos veículos em 90% até 2050 (saiba mais no capítulo de Performance Ambiental).

Pioneira na introdução de veículos híbridos no mercado (o primeiro Prius foi lançado no Japão em 1997), a empresa começou em 2018 os testes práticos com um novo protótipo de um veículo híbrido equipado com motor de combustão interna flexfuel. O projeto, que combina um propulsor elétrico e outro flexível a gasolina e etanol, foi desenvolvido em parceria entre as equipes de engenharia da Toyota Motor Corporation e da Toyota do Brasil.

Estudos preliminares apontam que o híbrido flex tem um dos mais altos potenciais de compensação e absorção de CO2 gerado desde o início do ciclo de uso do etanol extraído da cana-de-açúcar. Os primeiros testes foram realizados durante um percurso de mais de 1.500 quilômetros entre os estados de São Paulo e Distrito Federal, que colocou à prova a durabilidade do carro e ajudou na avaliação do conjunto motor-transmissão quando abastecido com etanol nas estradas brasileiras. O trabalho foi direcionado para extrair o potencial máximo de cada solução ao utilizar combustível oriundo de fonte 100% renovável: alta eficiência, baixíssimos níveis de emissões e capacidade de reabsorção dos impactos de gás carbônico.